OPINIÃO

A grande transformação

05 | 09 | 2018   22.46H
Duarte Cordeiro (Vice-Presidente da Câmara de Lisboa)
A criação do passe único para Lisboa e para a Área Metropolitana de Lisboa (AML), com redução do preço dos transportes, é a transformação mais importante das últimas décadas para a mobilidade e para o ambiente nestes territórios. Em causa está a possibilidade de criar um passe de 30€ para a cidade de Lisboa e um passe de 40€ para toda a AML, tornar gratuito o transporte de crianças até aos 12 anos e criar um passe para as famílias. Esta proposta, apresentada por Fernando Medina, é alternativa a propostas de redução do ISP, que na realidade produziriam um efeito contrário ao desejado – menos carros e melhor ambiente. O alargamento da Zona Intermodal com passe único (que beneficiaria mais de 900 mil pessoas que vivem na AML sem estar incluídas na Zona Intermodal, ou seja sem estarem abrangidas em nenhuma das coroas com passe até 70€) resultará diretamente na poupança de rendimento de todos estes utentes e tornará economicamente racional a opção do transporte público em comparação com o transporte individual, para um universo de cerca de 370 mil viaturas que todos os dias entram na cidade de Lisboa. Foi igualmente importante ouvir o Presidente da Área Metropolitana do Porto e o Ministro do Ambiente explicarem que a redução do preço e a simplificação tarifária são objetivos a aplicar em todo o território nacional. A aplicação em Lisboa beneficiaria todos os portugueses, porque torna o território mais competitivo, mas também porque o impacto ambiental e económico se traduz em menor importação de petróleo e em melhoria das nossas contas externas, mas a aplicação nacional aumenta esse impacto ambiental e económico da medida e resolve a discussão sobre a coesão nacional com toda a justiça, permitindo esta grande transformação em todo o país.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE