OPINIÃO

O fim do carro a diesel

06 | 02 | 2019   23.10H
Duarte Cordeiro (Vice-Presidente da Câmara de Lisboa)
Na semana que passou foram muito comentadas as declarações do Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, nas quais refere que os carros a diesel têm os dias contados e que perderão grande parte do seu valor nos próximos anos. Não podia estar mais de acordo com o conteúdo e com o momento escolhido pelo Ministro do Ambiente para proferir este aviso. Muitos consideraram a declaração “alarmista” e “insensata” mas, pessoalmente, considero que insensato seria um membro de um Governo europeu com a tutela do Ambiente não encarar os factos de frente e a necessidade iminente de uma transição energética avisando os cidadãos das suas consequências. Ouvimos reclamações do sector automóvel mas ninguém teve capacidade de desmontar as declarações do Ministro. A verdade é que a indústria automóvel tem feito um enorme esforço na mudança para o eléctrico e hoje já conseguimos encontrar várias alternativas com custos acessíveis e maior autonomia. O carro eléctrico e híbrido estão a ganhar rapidamente quota de mercado e são cada vez mais os cidadãos exigentes em termos ambientais, seja na reivindicação do direito de viver em ambientes menos poluídos seja como consumidores pressionando as marcas para a mudança. As cidades europeias estão unidas no objetivo de tornar mais difícil a circulação automóvel no centro das cidades com veículos a diesel pelas graves implicações para a saúde pública que a poluição provoca. Lisboa espera ter o centro da cidade sem veículos a diesel até 2030. Os Municípios e Estado estão a mudar toda a sua frota e Lisboa já só tem veículos ligeiros eléctricos e híbridos. A mudança será mais lenta para veículos pesados de mercadorias e de transportes mas os construtores estão a avançar a ritmo acelerado. Comprar um carro a diesel daqui a 5 anos é aceitar uma enorme desvalorização do veículo. O Ministro do Ambiente não decretou o fim dos veículos a diesel mas teve o cuidado de fazer um aviso muito sensato.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE