PUBLICIDADE
COLUNA VERTICAL

Teatro de marionetas

07 | 05 | 2019   16.35H
José Luís Seixas

O tempo que vivemos ficará registado na História como um tempo cinzento, de vidas suspensas e de lideranças medíocres. Tempo cinzento por ser o da erupção de uma crise sistémica que atinge o Mundo e a Europa em particular e nos empurra para o olho de um furacão cuja dimensão não conseguimos perspectivar. Vidas suspensas vítimas do decesso dos grandes paradigmas civilizacionais que fizeram da Europa e do Ocidente um espaço de prosperidade, de liberdade, de justiça, de bem-estar social e de equilíbrio moral. Lideranças medíocres que irrompem em todo lado e por todo o lado como ervas daninhas que infestam o sistema e dele afastam qualquer pretensão que colida com a sua mediania e afronte os seus interesses. Eis a razão – ou razões – destes epifenómenos a que designam de crises, feitas de verdades truncadas, adjectivações equivocas e falácias proclamadas. Pena é que o barulho estridente do descongelamento das carreiras docentes não tenha sido antecedido de idêntica algazarra relativamente a outras carreiras públicas cujo poder a governação teme e perante as quais sempre se acobarda. E, neste quadro, lá vai o Dr. Costa, com a habilidade e destreza que se lhe reconhecem, manipulando as suas marionetas nesta insuportável fantochada.

O autor escreve segundo a antiga ortografia.

© Destak
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE