OPINIÃO

Remoção de amianto em escolas de Gaia

14 | 05 | 2019   19.48H
Eduardo Vítor Rodrigues (Presidente da Câmara de V. N. Gaia)

Apesar de ter sido assumido o compromisso de que, no âmbito da reprogramação do atual quadro comunitário, haveria verba para projetos de eficiência energética que incluiriam a remoção de amianto das escolas, até agora tal não se concretizou. Goradas as expetativas – comuns, aliás, a diversos municípios –, a Câmara Municipal de Gaia decidiu avançar com um pacote de intervenções que abrange 33 estabelecimentos de ensino do 1.º ciclo, de onde o amianto será removido na totalidade.

Decidimos avançar porque esta é uma situação que urge resolver. Para nós, aquilo que diz respeito às escolas é prioritário, pelo que assumimos com o nosso próprio orçamento um investimento de 5,5 milhões de euros. Este é um problema que tem de ser resolvido, não porque haja risco, mas porque o fibrocimento também se degrada com o tempo. Temos de atuar para evitar que isto se torne um problema.

Este novo programa de remoção de amianto integra-se no vasto plano de requalificação do parque escolar de jardins de infância e escolas do concelho, que permitiu já a reabilitação de mais de uma centena de estabelecimentos de ensino desde 2014. Em concreto, abrangerá escolas de tipologia P3, edificadas na década de 1980.

Além de escolas do 1.º Ciclo, este pacote de intervenções inclui as EB 2/3 que estão atualmente a ser requalificadas, e de onde será igualmente retirado o amianto existente. O projeto permitirá, também, levar a cabo uma otimização destes edifícios escolares, reduzindo os custos energéticos e permitindo a melhoria substancial do conforto térmico das escolas.

A educação é a base do futuro da nossa sociedade e é nossa obrigação garantir as melhores e mais tranquilas condições para a prática pedagógica a toda a comunidade escolar.