PUBLICIDADE
OPINIÃO

Toyota

10 | 03 | 2010   20.58H
João César das Neves | naohaalmocosgratis@ucp.pt

A natureza humana permanece. Por isso a economia será sempre envolvida em velhos mitos que não morrem. Um dos maiores colapsos empresariais de sempre mostra-o bem.

O mercado automóvel, símbolo do capitalismo triunfante, sofre há décadas um excesso de capacidade que anuncia terríveis reestruturações onde só alguns sobreviverão. Neste meio duro e competitivo uma só coisa é sólida e segura: os métodos pioneiros da Toyota na gestão da cadeia de produção dominam o sector. Todos os seus concorrentes os copiaram, e a japonesa está no primeiro lugar mundial, ultrapassando a General Motors em 2008.

Agora toda essa eficácia, esforço competitivo, redução de custos e poupança de meios traduziram-se numa sequência de graves falhas na segurança dos carros. Isto impôs à companhia enormes recolhas e substituições forçadas de veículos e à indústria um escândalo dos maiores da sua atribulada história.

A empresa confessa que foram a ânsia do confronto e de vitória que a levaram a esquecer os consumidores. Os concorrentes não se alegram com os infortúnios do líder, porque sabem que partilham com ele as características que levaram ao desastre.

Isto traz lições importantes, não só para os gestores, mas para nós. O poder económico, por maior que seja, depende sempre e só da satisfação dos clientes. Isto destrói ao mesmo tempo os mitos dos fanáticos do progresso e dos críticos do capitalismo. A tão louvada invencibilidade da inovação e tecnologia é afinal frágil. Tão frágil quanto a tão temida tirania das multinacionais.

© Destak

5 comentários

  • Atenção, o anterior comentário não foi produzido por mim! Não é meu timbre este tipo de declarações.
    WebDot | 15.03.2010 | 17.13Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Neves, filho, és do OPUS DEI e o resto é conversa...
    WEBDOT | 12.03.2010 | 11.17H
  • Pois mas o maior construtor automóvel neste momento não é a Toyota nem a General Motors, mas sim a mui europeia Volkswagen (e a malta que gosta tanto de dizer mal da Europa). Não sei é como é que malta que é professora de economia não sabe disto ...
    Albicastro | 11.03.2010 | 10.27H
  • "O Toyota veio para ficar", assim se dizia num spot publicitário de há uns anos atrás. Mas, pelos vistos não será tanto assim. Como assim não será com o capitalismo selvagem. Este poderá ter os seus dias contados, quando os povos se consciencializarem de que haverá uma terceira via (alternativa ao nacional socialismo e ao capitalismo). Costuma dizer-se que "no meio está a virtude". Será desse "meio" que virá à luz uma nova filosofia social e económica. Mas, para tal não a abortem! Eh, eh, eh... (como diria este cronista).
    Fífias | 11.03.2010 | 09.05H
  • Neves, filho, satisfação dos consumidores é uma coisa, a sua segurança é outra. De facto a toyota entro numa bebedeira de "inovação" em que perdeu algumas noções básicas e elementares sobre a capacidade das suas viaturas. Ou seja, em vez de reformista quer ser revolucionária. Isso tem sempre as suas vítimas, como é conhecido.
    WebDot | 11.03.2010 | 08.43H
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE