PUBLICIDADE
OPINIÃO

Os desencontros da História

16 | 03 | 2010   21.09H
José Luís Seixas

É da maior injustiça resumir o Congresso do PSD à tristíssima inovação estatutária que impõe silêncios e aquiescências obrigatórios. Mais um favor prestado aos adversários pelas patologias autofágicas que toldam a clarividência social-democrata.

Mas vamos ao importante e não nos aprisionemos pela caricatura. Mafra escutou um dos discursos mais lúcidos sobre a política nacional que ouvi nos últimos tempos.

O discurso proferido por Marcelo Rebelo de Sousa merece ser lido com distanciamento dos ecos que sempre povoam estes conciliábulos. Marcelo foi muito mais do que uma voz avisada. Diagnosticou, denunciou, qualificou os miasmas que corroem o País.

Disparou com minúcia e precisão sobre os responsáveis pelo momento de verdadeira emergência nacional que vivemos. Dedilhou, um a um, os desafios e as contingências. Não poupou vocábulos. Esgrimiu-os com precisão e rigor. Não disse de mais nem de menos.

Não carregou nas tintas nem usou diluente. Marcou o Congresso, condicionou os discursos dos candidatos e deixou no ar a sensação dramática do desencontro com o seu destino. Marcelo é um personagem controverso.

Mas é, indiscutivelmente, a cabeça política mais bem preparada para o Governo do País. O cavalo do poder rodopiou, solto, à sua volta. Marcelo rejeitou as rédeas que estiveram ali, disponíveis, à sua frente. Ele lá sabe porquê.

A sua inteligência e a finíssima argúcia com que escalpeliza situações e eventualidades fizeram-no concluir que aquele partido, como o País, está mais apetente de jovens ambiciosos, com vozes maviosas e sorrisos ensaiados, do que de homens de rasgo.

A História está repleta de momentos idênticos. E a galeria dos grandes portugueses que Portugal não soube nem quis aproveitar é vasta. Demasiadamente vasta para um país tão carente.

© Destak

12 comentários

  • ...e lá apareceu o parvalhão do José Luís Seixas a denuniciar os comentários. É mesmo parvalhão... ou talvez cretino. Parvalhão ou cretino? Escolha a sua resposta e ganhará um bilhete para o céu.
    Chico | 06.04.2010 | 23.18Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Senhor José Luís Seixas, creio que já está na hora de escrever outro artigo. Este foi publicado no dia 16 de Março. Não me diga que a sua contribuição para este jornal é apenas de 2 textos por mês... para dizer bem do PSD e do Professor Marcelo Rebelo de Sousa. Sugeria que escrevesse alguma coisa sobre a tortura política no tempo de Salazar ou sobre a polícia política e como esta interrogava os presos políticos (aqueles que não falavam... ou melhor, os comunistas)... Sim, se calhar, é melhor não escrever acerca disso, porque suja as mãozinhas de veludo, habituadas a escrever 2 crónicas por mês à divina saúde do seu partido de eleição e do seu sempre querido Marcelo Rebelo de Sousa... mas se tiver coragem, escreva sobre os comunistas que sofreram nas prisões... isso mostraria alguma diferença e até pluralismo na sua atitude. Não é assim?
    Miguel | 04.04.2010 | 21.42Hver comentário denunciado
  • @MARIAL - "como é possivel 50 mil pessoas se arrogarem no direito de decidir o futuro de 10 Milhões de pessoas?" Pelos vistos, na altura das eleições, só aparecem na mesa de voto os 50.000 militantes do PSD. Mas respondendo à sua pergunta:
    Simples... basta que os 9.950.000 que não votam vão às urnas.... Ninguém decide por ninguém. Agora quando se prescinde do direito e dever de votar, aguenta-se com o que os outros elegeram... Mas não foi o PSD que vi ganhar as últimas eleições...
    hybrid-Lettuce | 30.03.2010 | 11.31Hver comentário denunciado
  • CARAS E POR O ISALTINO A VOTOS COMO O NOSSO PRIMEIRO IDEIA DA CASAS AO REFORMADOS APARTAMENTOS DE LUXO E O QUE FAZEM ESSES REFORMADOS TRAFICAM A DROGA DELE SEM QUE HAJA UMA JUDICIARIA EFICAZ E APRESSADA EM DESMASCARAR ESTE E OUTROS
    anonimo | 27.03.2010 | 14.50Hver comentário denunciado
  • Se Marcelo Rebelo de Sousa devia ser o próximo primeiro-ministro? Não estou de acordo. Se devia antes ser presidente? Também não. E que tal o próximo presidente dos E.U.A.? Mmm... Ou papa? E porque não um santo... ou mesmo Deus? De facto, o povo português deve estar muito carente, para ter o professor Martelo... ou desculpem-me, Marcelo, como a maior ausência dos destinos deste país.
    Lobo | 23.03.2010 | 19.13Hver comentário denunciado
  • Este pseudo-comentador diz que Marcelo Rebelo de Sousa... "é, indiscutivelmente, a cabeça política mais bem preparada para o Governo do País"... ora, deixem-me pensar um bocadinho nesta hipótese... ha... ha, ha... he! ha! ha! HE! HE! HA! HA! HA! HA! HA! Não posso mais... HA! HA! HA! ... e ele continua... "A sua inteligência e a finíssima argúcia?" HA! HA! HA! HE! HE! HE! É demais...
    É demais | 23.03.2010 | 13.44Hver comentário denunciado
  • O PPD/PSD tem cerca de 64 mil militantes. Desses 64 mil devem votar pouco mais de metade. Mesmo que votem 50 mil... Os portugueses resdientes em Portugal são mais de 10 Milhões ... como é possivel 50 mil pessoas se arrogarem no direito de decidir o futuro de 10 Milhões de pessoas?
    Às armas às armas ... Contra os canhões marchar, marchar!!!
    MariaL | 19.03.2010 | 19.29Hver comentário denunciado
  • É verdade, é o chamado labirinto democrático que já dura há 36 anos . . . !
    alexandre barreira | 18.03.2010 | 11.20Hver comentário denunciado
  • Se calhar quem pos o país no labirinto foi ... o PSD!
    Anonimo | 17.03.2010 | 12.14Hver comentário denunciado
  • Sinto as coisas que leio e tiro uma conclusão: Com o PSD neste caminho com o PS do mesmo lado da estrada, o CDS eivado de meninos que falam bem e brincam aos submarinos. Com tudo isto, tiro outra conclusão: Portugal está num labirinto e não é capaz de lá sair
    amadeu castro monteiro | 17.03.2010 | 10.24Hver comentário denunciado
  • Apenas três questões simples:
    - Como poderemos nós ser governados por partidos que não sabem governar-se a si próprios?
    - Porquê o unanimismo parlamentar, diga-se "disciplina de voto"?
    - É isto a democracia?
    Quanto ao professor Marcelo, que muito admiro pela sua dialéctica, nada mais que isso!
    O que fez ele de útil para o país? Onde estão as suas credenciais políticas? Talvez as tenha deixado por Moçambique no tempo do anterior regime. Diria, apenas, que se trata de um homem polémico com visões fantasmagóricas. Daria um bom cartomante ou algo mais ligado às ciências do oculto. Sim, do oculto, porque de concreto, nunca vi nada, excepto um mergulho no Tejo.
    PESCADOR | 17.03.2010 | 08.47Hver comentário denunciado
  • Zé Luís, filho, estou bem de acordo contigo. Mas ... e daí? Face à máquina de triturar a sociedade em que os governos se constituíram em Portugal, as análises brilhantes e quejandas são práticas onanísticas para quem as profere e para alguns dos receptores. Cada segmento tem o seu naipe de "brilhantes". Pois ... e daí? Que contribui isso para a minha felicidade?
    WebDot | 17.03.2010 | 08.32Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE