PUBLICIDADE
EDITORIAL

Antídoto para mães cheias de saudades

16 | 05 | 2010   21.11H
Isabel Stilwell | editorial@destak.pt

As mães queriam ser omnipresentes, protegê-los e apoiá-los sempre que tropeçassem e esfolassem o joelho e de cada vez que a vida os magoasse. Mas felizmente a maioria das mães sabe que não pode impedir os filhos de crescer e de se tornarem autónomos, sabe que os tem de deixar atravessar as ruas sozinhos, escolher os seus amigos e, como nas histórias que têm milénios, encorajá-los a pôr a trouxa às costas e partir. Mais difícil ainda sabe que tem de arranjar a coragem para os deixar errar e para assistir aos erros que cometem sem dizer (pelo menos muitas vezes) um "Eu não te disse".

Sabem, e fazem o que têm de fazer, mas custa-lhes, e a distância pode tornar-se ainda mais assustadora, porque impede um "vou já" que guardam sempre na manga. Por isso é que o resultado de um estudo da Universidade de Wisconsin-Madison lhes vai dar alento nesta manhã de segunda-feira. Os investigadores concluíram que a voz da mãe ao telefone é equivalente a um abraço, com a mesma capacidade de confortar e acalmar.

Vamos por partes. O cortisol é a chamada hormona do stress, porque aumenta quando enfrentamos situações de tensão. A ocitocina, por seu lado, é a hormona das "ligações", a que combate os efeitos do cortisol, baixando o ritmo cardíaco e sossegando a respiração. Até agora pensava-se que só o contacto físico conseguia desencadear a produção da ocitocina. Agora, ao que parece, a voz pode ter o mesmo efeito.

O estudo foi feito com 60 raparigas dos 7 aos 12 anos a quem era pedido que discursassem de improviso e resolvessem problemas em frente de um grupo de desconhecidos. Os cientistas mediram a sua produção de cortisol. Logo depois, foram divididas em três grupos: um teve direito a abraçar a mãe, outro falou com ela ao telefone, e um terceiro foi posto a ver a Marcha dos Pinguins, um filme emocionalmente neutro. Para surpresa dos cientistas, o abraço virtual e o abraço real produziam os mesmos níveis de ocitocina, que não se produzia com a sessão de vídeo. Agora só falta saber se as sms têm o mesmo resultado.

© Destak

5 comentários

  • A BBC e quejandos sabem realmente muito! Reponham mas é os comentários ao Malheiro para que os leitores possam contrapor com as qualidades dos outros que este escrevinhador espezinha e com os defeitos do Benfica que ele omite!
    Abel Pereira | 17.05.2010 | 20.33Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Este Malheiro vem para aqui fazer a apologia do SLB/Ricardo Costa e Lucílio e Cª e não o podemos contestar? Agora há despeitados? E durante os longos jejuns do Benfica não havia despeitados? Francamente! Antes os papistas!
    Abel Pereira | 17.05.2010 | 20.26Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Não precisava de mais um estudo americanizado para chegar a essas conclusões, qualquer pessoa com dois neurónios sabe o óbvio. O problema é tê-los, não é Sra. D. Isabel?
    pedro lindo | 17.05.2010 | 19.14Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Mas eu não dispenso aquele abraço carinhoso aos meus filhotes..
    HC | 17.05.2010 | 17.52Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • É verdade, a voz do sangue tem muita força . . . !
    alexandre barreira | 17.05.2010 | 06.50Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE