EDITORIAL

Filho “adoptivo”, o adjectivo assassino

09 | 09 | 2010   19.12H
Isabel Stilwell | editorial@destak.pt

A notícia chocou-nos a todos. Choca sempre a notícia de uma mulher que aparece morta em sua própria casa, com todos os ingredientes que qualquer mulher teme, violência e violação.

Mas quando se soube que o presumível assassino era o filho, o crime assumiu contornos de filme de terror e tornou-se incompreensível.

Como é que é possível que um filho mate a mãe, que monstro é este capaz de se vingar contra quem lhe deu a vida, lhe aturou as noites sem dormir, o amou incondicionalmente? Tamanha ingratidão não faz sentido, quando se sabe que o amor à mãe é tão vital que os soldados até tatuam “amor de mãe” no corpo.

Num reflexo de sobrevivência instintivo, tratamos, então, de procurar compulsivamente sinais que nos distingam, a nós e aos nossos, de alguém capaz de um acto como este.

Os jornalistas, que fazem o papel de nossos enviados especiais, disparam em direcção a todas as testemunhas, gente que conheceu o criminoso, na esperança de encontrar um factor desencadente: «era conflituoso, com acessos de fúria, consumia drogas, por amor de Deus, digam qualquer coisa, tinha de haver sinais, porque senão como nos podemos defender de um assassino, como podemos garantir que as «relações tensas» que mantemos com tanta gente, não nos levarão um dia a pegar numa faca e a matar alguém?».

Quando nesta investigação sumária se descobre que o presumível assassino era adoptado, um facto relevante à luz dos nossos preconceitos mais ou menos encobertos, toda a gente suspira de alívio, e os jornais dão a boa nova: «Médica morta pelo filho adoptivo».

O adjectivo assassino produz um simulacro de explicação, remetendo para a ideia de que estas coisas vêm no sangue, são traços de carácter que nem a mais bondosa das mães pode apagar. Desde que não adoptemos, portanto, podemos todos ficar descansados, porque, afinal, não é nada connosco.

© Destak

11 comentários

  • Some time before, I did need to buy a building for my organization but I did not have enough money and could not buy something. Thank God my friend suggested to try to take the business loans from creditors. Hence, I acted so and was happy with my short term loan.
    JosephKrista | 05.01.2012 | 16.56Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • FÓRUM »» Mais uma vez quando o comentário mexe na ferida, mandam o comentário para uma enfermaria!
    Visita ao Reino Unido Papa pode reunir-se com vítimas de padres pedófilos O Papa Benedictus Sextus Decimus Red Shoes, com uns sapatos tão caros parece não saber o terreno que pisa. As vítimas dos Pedófilos sejam eles clérigos ou não depois do processo desencadeado, muitos já passaram a pedófilos activos e outros já tinham esquecido as violências, pois segundo dizem muitos pedófilos activos já morreram. Agora sua Santidade vai levantar uma poeira de anos, podemos dizer mesmo de séculos. Para quê? Se a Cidade Estado do Vaticano se rege só pelo Direito Canónico via Santa Inquisição Contemporânea, Red Shoes foi seu perfeito por duas décadas. O Direito Penal e Civil são utilizados o do estado Italiano. Penso que um homem que dizem de uma inteligência superior o que vai fazer junto das vítimas se não vai fazer nada pois todos os processos presumivelmente devem ter caducado, Não passa de uma medida de charme, que parece ser um pau de dois bicos como a sua Tiara. Red Shoes deve visitar os países numa acção pastoral generalizada e não tentar, lavar as mãos como Pilatos pois não é Judeu (costume Judaico) e Pilatos nunca o fez. Pilatos talvez pudesse ter dito “se eu disse para se fazer faça-se”. Neste momento com netos pequenos, prefiro esperar que eles decidam o seu caminho Religioso, do que levá-los à Igreja para serem confrontados com orações e pouco mais e depois crescerem e ficarem com tantas dúvidas, que não entram numa Igreja. Façam um novo Concilio porque com a evolução da Genética e as descobertas sobre os genomas e mesmo sobre o ADN. Feitas clandestinamente ou não. Podem dar uma volta aos valores Religiosos do Planeta nos Países desenvolvidos. Só, a meu ver, os Islâmicos estão enlouquecidos pelas barbaridades que o analfabeto Mafoma disse ter recebido e relatado das visões do Anjo Gabriel. Façam um Concilio senão a Ciência passa a Religião. Um bem-haja Zé Ernesto Gaia
    ATEU | 12.09.2010 | 22.07Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Calma... O estado é laico, e as mães não são a Virgem Maria...
    António | 12.09.2010 | 18.00Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Só quero dizer, que há infelizmente quase que diáriamente pais a assassinarem os próprios filhos e filhos a ssassinarem pais e sem serem adoptivos. Esta especulação é ridicula, não é o facto de ser adoptivo ou não, que o levaria a cometer tal crime. Aliás deve ter histórias por detras disto tudo. So quero deixar aqui o meu estado de revolta, pela descriminação neste caso, e usarem em letras gordas a palavra filho adotivo, quando tantos filhos de sangue já assassinaram seus próprios pais ...
    Cecília Rodrigues | 10.09.2010 | 22.29Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Eu como outros também penso que esta história está mal contada! Todos nós somos alguma vez desejámos a morte ou matar alguém, o problema é que alguns passam do pensamento à acção. Sobre isto a minha mãe dizia que o pensamento não é pecado e se o pensar fosse crime íamos todos para a prisão.
    Especulando sobre o caso: - o que preocupa um pai ou uma mãe quando adoptam uma criança? Qualquer coisa como isto: "será que estou a agir exactamente como se fosse a "verdadeira mãe"? Será que o amo tanto como se fosse o "verdadeiro pai"? Pois é, e a seguir à insegurança vêm os comportamentos de compensação e dá-se tudo ao filho e o filho começa a pensar que é essa a obrigação dos pais, biológicos ou não. Depois na adolescência os filhos querem-se afastar dos pais, no espaço, na forma de pensar, etc. mas ao mesmo tempo necessitam do dinheiro, muito dinheiro, dos pais e os pais que já não conseguem que eles sigam nada do que lhe dizem. Por retaliação dão-lhe menos dinheiro e "enxofram-lhes o juízo" e acusam-nos de ingratidão. O filho que sempre teve quem o ajudasse ou foi por ele mesmo capaz de ultrapassar todos os obstáculos, também tem de afastar este "azucrinar diário" que já não aguenta mais, e põe o plano em acção. Então se tiver algum factor genético associado a uma psicose, o plano pode passar a obsessão, por vezes ajudada pela toma acidental de uma qualquer pastilha "daquelas que não fazem mal nenhum".
    Foi isto que aconteceu? Não sei. Este é apenas um cenário de um psi de bancada.
    Manuel Martins | 10.09.2010 | 21.51Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Vinha a cara dele na edição do correio da manhã de ontem, no entanto o jornal o crime deve pegar nesta noticia e tambem a deve publicar...
    Charles | 10.09.2010 | 15.13Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • CHARLES, é capaz de deixar aqui um link onde possamos ver a cara dele, já que você diz que ele tem algo que o denuncia como assassino... eu acho que você pode estar certo sobre esse pressentimento, os olhos dizem muito.
    PEDIDO | 10.09.2010 | 12.32Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Esta historia lembra-te a historia do sapo e do escorpião: "Certa vez, um escorpião aproximou-se de um sapo que estava na beira de um rio. O escorpião vinha fazer um pedido: "Sapinho, você poderia me carregar até a outra margem deste rio tão largo?" O sapo respondeu: "Só se eu fosse tolo! Você vai me picar, eu vou ficar paralizado e vou afundar."
    Disse o escorpião: "Isso é ridículo! Se eu o picasse, ambos afundaríamos." Confiando na lógica do escorpião, o sapo concordou e levou o escorpião nas costas, enquanto nadava para atravessar o rio. No meio do rio, o escorpião cravou seu ferrão no sapo. Atingido pelo veneno, e já começando a afundar, o sapo voltou-se para o escorpião e perguntou: "Por quê? Por quê?" E o escorpião respondeu: "Por que sou um escorpião e essa é a minha natureza." ha aqui outro detalhe que a menina Isabel se esqueçeu...o rapaz tinha acabado um relacionamento na segunda feira, talvez o odio às mulheres e sabendo que era mae adoptica logo não era sua mãe verdadeira... mas olhando para a cara do moço o gajo não tinha boa pinta, tinha cara de assassino mesmo...o gajo era maligno por natureza contra isso nada a fazer...é o mesmo que adoptar um animal selvagem é sempre um animal selvagem mesmo bem tratado o insticto assassino está lá...
    Charles | 10.09.2010 | 12.18Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Como é possível?!! Ohhh!!! Como é possível?!! Ai senhores, como é que uma coisa destas é possível?!!..... Num mundo tão pacífico como o de hoje, como é possível?!!! . . . ok, agora vamos descansar um pouco, e distrair-nos, que bem merecemos, com mais um joguito daqueles que por aí há a vender e até andam na net. Basta qualquer um daqueles de matanças que por aí há às dezenas para as nossas crianças se distraírem e não darem que fazer aos papás... Mal? Deixa-me rir! Aquilo faz mal?!!. . . não sejas idiota, aquilo não faz mal a ninguém, eles depois sabem bem distinguir realidade de ficção. . . vai lá buscar o jogo, e traz também um filme, filho...
    O FILHO | 10.09.2010 | 11.45Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • É em alturas como estas que vemos o estigma que subsiste no nosso país sobre a adopção, como pai biológico e adoptivo, fiquei chocado com os títulos das noticias, porque para mim não há filhos biológicos e adoptivos, só há filhos. Deixo o convite a que leia o que escrevi ontem sobre este assunto:
    http://oqueeojantar.blogs.sapo.pt/224422.html Isabel, obrigado por este artigo.
    Jorge Soares
    Jorge Soares | 10.09.2010 | 10.46Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Vão-me desculpar a minha ousadia, mas esta história está muito mal contada . . . !
    alexandre barreira | 10.09.2010 | 07.14Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE