PUBLICIDADE
OPINIÃO

Fome

10 | 11 | 2010   21.51H
João César das Neves | naohaalmocosgratis@ucp.pt

Escolas abrem ao fim de semana para matar a fome aos alunos.» Apesar da crise política, campanha presidencial e urgência dos juros da dívida, o Expresso escolheu este para título principal do último sábado. Foi uma excelente opção jornalística. Este é sem dúvida o verdadeiro problema do momento: volta a haver fome generalizada entre nós. Tudo empalidece ao lado disto.

Mas este título mostra também um outro facto ainda mais importante. Perante a incapacidade do Estado, a sociedade enfrenta a emergência. «Mesmo quando não há apoios extras do município ou do Ministério da Educação, muitos estabelecimentos de ensino fazem tudo para minimizar as carências alimentares de algumas crianças. [...] Notámos que havia alunos que não comiam o pão do almoço ou a sandes do lanche [...] iam discretamente ao pátio dar o que não comeram a um colega que lhes tinha pedido para poder levar para casa.» (p. 22)

Há várias décadas que, com custo de milhões, os sucessivos governos nos asseguraram que a sua política eliminaria a pobreza. Proclamaram o sucesso várias vezes. Agora, quando é mesmo preciso, tudo se desmorona. Parece que nos 80 mil milhões de euros do Orçamento de Estado não há dinheiro suficiente para alimentar crianças. Compreende-se, é preciso acorrer ao TGV e outras prioridades.

Os políticos estão presos de si mesmos. Felizmente ainda restam as escolas, paróquias, IPSS, serviços camarários, ou simplesmente os vizinhos e colegas. Esta é a grandeza de Portugal e enquanto existir a crise dos políticos não nos vence.

© Destak

6 comentários

  • São todos uns irresponsáveis,e de uma teimosia idiota!
    Manuela | 15.11.2010 | 11.46Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • hipócrita, andou estes últimos anos a atacar o rendimento social de inserção, e agora vem queixar-se que há fome. Já sabíamos que o rendimento social de inserção impedia muita gente de morrer à fome, que havia uma minoria que se aproveitava disso, que deveria ser investigada e punida. Agora, cortar a eito, e depois vêm queixar-se. Fariseu!
    jose.vladimiro | 14.11.2010 | 11.22Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Sim, pode haver fome. O dinheiro do subsídio de inserção social criado por esse "malandro do Guterres" dá para telemóveis e para grandes televisores a prestações nas lojas do Belmiro, mas não dá para comprar um pão e um pacote de manteiga porque isso é muito barato. Para quê comprar batatas se só custam cinquenta cêntimos? 5 febras de porco custam dois euros? para quê se no café compro uma por 3 euros?
    Da fome lembro-me do governo do grande sábio do marketing proporcionar os salários em atraso e da fome em Setúbal e no Vale do Ave quando os subsídios da CEE serviam para comprar Ferraris.
    Ai se o Cavaco cá voltasse, ele já vos dizia os TGVs
    Manuel Tavares | 12.11.2010 | 17.02Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • «Parece que nos 80 mil milhões de euros do Orçamento de Estado não há dinheiro suficiente para alimentar crianças. Compreende-se, é preciso acorrer ao TGV...»
    Tanta demagogia!...
    li | 11.11.2010 | 21.31Hver comentário denunciado
  • O que se pode esperar dum parlamento onde os eleitos para representar o povo se divertem a trocar piadas e gozar com a desgraça que eles mesmos semearam no país? É de lamentar que não haja pelo menos um Presidente da República que ponha cobro à total falta de ética e respeito que todos eles demonstram, porque se fossem minimamente sérios e honrados, entravam e saíam do parlamento de cabeça baixa, em sinal de reconhecida vergonha pelas suas atitudes. Espero que eles venham a provar do veneno que estão a semear.
    Luís Basto | 11.11.2010 | 10.33Hver comentário denunciado
  • E os(as) "desgraçados(as) que muitas vezse vão trabalhar com uma "côdea" no "bucho" . . . !
    Desses ninguém fala . . . !
    A "democracia da fome" nunca em tempo algum deu liberdade aos seus "filhos" . . . !
    alexandre barreira | 11.11.2010 | 07.14Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE