PUBLICIDADE
EDITORIAL

Confrontá-los com o álcool que bebem

25 | 11 | 2010   20.59H
Isabel Stilwell | editorial@destak.pt

Mais um estudo a provar que cresce o consumo de álcool e drogas entre adolescentes dos 12 aos 18 anos. Sinceramente, dá-me vontade de ir para a rua à bofetada. Juro que dá.

Como é que depois de tanta investigação científica que prova e torna a provar os efeitos devastadores do álcool no cérebro em crescimento, depois de tantas campanhas de divulgação, de rios de tinta gastos em avisos, os meninos continuam a ir para a rua enfrascar-se, como se nada fosse. Ainda por cima com o dinheiro dos pais, que apesar da crise e dos cortes que impõem a si mesmos, estupidamente o passam para as mãos dos filhos, porque «não querem que lhes falte nada».

E o mais irritante é que os nossos jovens estão a ficar tão acéfalos como os nórdicos, que tradicionalmente consideram que divertimento e festa é sinónimo de beber até vomitar e cair para o lado. No Reino Unido, o fenómeno é considerado catástrofe, com internamentos hospitalares e cirroses cada vez mais precoces (muitos deles salvos pelo transplante de fígado de um pobre coitado, vítima de um acidente causado por alguém com excesso de álcool ao volante!).

Depois de mil tentativas de diminuir o consumo dos mais novos e de batalhas campais contra o binge-drinking, vieram agora os investigadores da Universidade de Aston propor uma nova estratégia: ajudar o adolescente a perceber quanto é que bebe de facto (porque tende a medir por “copos” e não por unidades de álcool) e sobretudo a comparar-se com o que os outros bebem.

Que consomem porque estão na idade em que conformar-se ao grupo é mais importante do que consequências que imaginam longínquas, já se sabe há muito, mas o que se concluiu é que estão convencidos de que bebem muito menos do que os amigos (ou a gabarolice não fizesse parte deste jogo!). Quando lhes é demonstrado que o seu consumo é superior à média, e superior ao que bebe de facto o amigo, diminuem imediatamente a quantidade ingerida.

© Destak

9 comentários

  • Basta proibir-se a embriaguês em espaços públicos com penas pecuniárias elevadas, com a prestação de serviços comunitários e com outras penas dissuasoras. A maioria do pessoal vai abrandar com certeza. E tal como aos caçadores apanhados embriagados também lhes será apreendida a carta de condução.
    Jesus Cristo laico | 29.11.2010 | 01.03Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • 7 de Dezembro de 2010: "DIA INTERNACIONAL DA DIGNIDADE HUMANA E PLANETÁRIA".
    MAIS | 27.11.2010 | 14.01Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • De que é que vocês estão a falar? Álcool?: http://www.youtube.com/watch?v=UdtLTyNOB0A&NR=1
    CRIMES AGAINST HUMANITY | 26.11.2010 | 19.18Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Quantos bares, discotecas ou estabelecimentos similares fazem realmente cumprir a lei da proibição de venda de alcool a menores? se um adolescente for a um hipermercado comprar uma "MINI" na caixa de certeza que não o vão impedir de sair com ela a menos que não a pague. o consumo de alcool é mto mais abrangente do que a simples saida á noite com os amigos, hoje tb se esta em casa de volta da net com um ou dois amigos e la se arranja qualquer coisa para beber ate chegar a hora de realmente ir para uma discoteca (pk as bebidas la não são para o bolso de toda a gente).
    ze | 26.11.2010 | 16.58Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • eu não posso falar, no meu tempo era terrível e falo de há trinta a trinta e cinco anos atrás. acho impossível ser pior agora. igual talvez, pior, definitivamente que não. acho que “estaladas” agravam muito mais a situação... não acho, tenho a certeza! a corrente de formação dos encarregados de educação naquele tempo era muito diferente, também porque os tempos eram outros. porém hoje e à distancia realizo que os meus amigos, cujos pais eram mais "modernos" (era assim que eu ouvia dizer na altura com sentido pejorativo acentuado), eram os que tinham um comportamento mais equilibrado estável (praticavam deporto, tinham namorada fixa, divertiam-se com moderação, eram óptimos alunos e hoje têm uma vida de sucesso). eu por mim começaria a esgravatar por aí...
    p.s: não liguem ao meu comentário porque nunca fui pai!!!!!!!
    ruben | 26.11.2010 | 14.54Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Alguns aviões voltaram a despejar partículas sobre os céus de Portugal e, de um dia para o outro, milhões de pessoas se queixa de dores de garganta e de gripe. Estão a ficar mais eficientes nos testes que fazem com as cobaias. E muitas das cobaias ainda se riem...
    CRIMES INDIRECTOS | 26.11.2010 | 12.46Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • NATO?: http://www.publico.pt/Mundo/chefe-de-gabinete-de-k arzai-culpa-reino-unido-pelo-impostor-taliban_1468 224
    NATO? | 26.11.2010 | 12.40Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Em que país é que se tentou baixar a taxa de alcool admissível na condução e veio logo gente para a rua dizer que estavama destruir a agricultura?
    Não me lembro. Deve ser da bebida.
    anónimo | 26.11.2010 | 11.42Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Minha cara Isabel . . . !
    Muito bem explanado sim senhor . . . !
    Mas, como é sabido, o àlcool é um negócio que gera milhões . . . !
    E, também, infelizmente, a droga anda de "braço dado" . . . !
    Mas, de qualquer modo a vida continua no seu "esplendor" . . . !
    alexandre barreira | 26.11.2010 | 07.05Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE