PUBLICIDADE
OPINIÃO

Mercados

01 | 12 | 2010   20.58H
João César das Neves | naohaalmocosgratis@ucp.pt

Portugal anda dominado pelos mercados. Os caprichos dessas entidades estranhas comandam a nossa política e até a nossa vida. Daí vêm todos os nossos problemas. Mas o que são esses misteriosos mercados?

De facto não há nada de sinistro na entidade. Trata--se de pessoas como nós. Muitas pessoas como nós. Têm família, emprego e férias, sonhos e problemas, alegrias e tristezas. A sua primeira característica é serem uma multi-dão, tão vasta e diversificada quanto se possa imaginar. São tanto que têm apenas quatro coisas em comum.

Primeiro fizeram poupanças e têm dinheiritos de lado. Nisso, mais ou menos, estão como nós. Segundo, emprestaram ao Governo português. Esta sua imprudência pode, à primeira vista, torná-los estranhos. Como puderam ser tão tolos? Mas se virmos bem não é tanto assim. Muitos de nós têm certificados de aforro, títulos do Estado, etc. Se temos então, surpresa!, nós somos eles. Mas mesmo que não tenhamos, é compreensível que pes-soas normais, em tempos mais calmos, tenham escolhido essa aplicação de poupança, hoje tão pouco recomendável.

As outras duas características são ainda mais pacíficas. Primeiro, eles querem o seu dinheiro de volta ou, melhor, querem continuar a receber juros das suas economias. Finalmente, não acreditam que o Governo português seja capaz de tal, depois de tantas promessas, hesitações e trapalhadas. Qual de nós os pode censurar?
Como se vê, nesta história, o mal não está nos mercados, mas do outro lado. É das promessas, hesitações e trapalhadas que vêm os nossos problemas.

© Destak

6 comentários

  • Com que então o "senhor mercado" são pessoas como nós!? Ah, ah, ah... E eu, muito tolo, que pensava que a figura mais aproximada era um vasto conjunto de especuladores que nem sequer investiam com capitais próprios, mas sim com créditos. Santa ignorância a minha. Afinal, eu, teso que nem um barrote, também sou mercado. Pois então, que me merquem e me tirem daqui, deste reino de despudorados, oportunistas e corruptos. Não quero pertencer a esse mercado que este "ilustre" define.
    Juro que desta vez vou estudar economia e, talvez, virar catedrático. O meu país assim o exige e eu mo imponho. Mas, juro também que não irei escrever ou dizer asneiras ou "atentados teóricos" em nenhum espaço de acesso público. Não quero, não posso e não devo ser fazedor de opiniões erradas. Agora, vou já, já para a academia independente ou talvez uma católica que fará o milagre de me tornar naquilo que nunca fui capaz: engenheiro financeiro. E esta, hein!?
    FIFI | 07.12.2010 | 11.30Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • E caso não saibam, as taxas de juro sobem porque existe um spread mais elevado devido aos riscos do estado nao pagar as suas obrigaçoes por isso deixem se destas historias de especulaçao capitalista
    anónimo | 02.12.2010 | 20.29Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Senhores comunistas, em vez de opinarem sobre tudo, vão aprender um bocado de economia que este senhor sabe muito mais do que aquilo que voces pensam ou ouvem dos vossos politicos que só dizem parvoices
    anónimo | 02.12.2010 | 20.27Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • E ainda criticam o mercado do "bulhão" . . . !
    Têm muito que aprender . . . !
    alexandre barreira | 02.12.2010 | 15.56Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • e aquilo que Ensina na Católica? não ajudou à festa capitalista?
    morais | 02.12.2010 | 10.42Hver comentário denunciado
  • Este comentador cada vez se enterra mais. Até desculpa a especulação capitalista cega e desenfreada.
    É melhor fechar a boca. Pelo menos não entram moscas.
    Albicastro | 02.12.2010 | 09.17H
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE