PUBLICIDADE
EDITORIAL

Doenças Amorosas Transmissíveis

26 | 04 | 2011   19.40H
Isabel Stilwell | editorial@destak.pt

Doenças Amorosas Transmissíveis, foi assim que o Eduardo Sá lhes chamou, num dos nossos Dias do Avesso, que todos os dias a Antena 1 transmite. Fascina-me a forma como ele consegue pôr nomes a fenómenos que apenas pressinto.

Foi assim nesse dia: perguntei-lhe ‘em directo’, quase a medo, não fossem os ouvintes achar-me ‘bota de elástico’, se as pessoas que se envolviam muito depressa numa intimidade sexual, sem terem antes uma intimidade ‘real’, não corriam o risco de ir acumulando casos de insucesso amoroso. E ele acenou que sim com a cabeça, e saiu-se com essa: «Claro, correm o risco de contrair uma Doença Amorosa Transmissível, sempre que se despem por fora, antes de se despirem por dentro.»

Os sintomas da DAT, como rapidamente abreviei, porque todas as doenças importantes são conhecidas por siglas, tornam-se, mais ou menos depressa, evidentes: rupturas sucessivas, acompanhadas de amargura, desconfiança, medo de se entregarem a uma nova relação, e um sistema imunitário frágil que não suporta mesmo os mais banais ataques dos vírus que contaminam, num momento ou noutro, qualquer relação, mas que os saudáveis são capazes de debelar sem separações, nem demasiado sofrimento.

Os doentes de DAT, esses, fogem antes que os magoem mais, mas acabam sempre por sair lesados. A intimidade é uma fórmula mágica, que exige conhecimento do outro, experiências partilhadas, conflitos vividos e superados, e que permite que cada um de nós se mantenha indivíduo, com direito ao seu espaço e ao seu corpo, mesmo quando se entrega a uma relação de fundo. Dizer isto aos nossos filhos é uma obrigação.

© Destak

11 comentários

  • ah ah a maria ta toda enervadinha.... deixe lá, a Isabel sabe que voce é 5 estrelas. Quando voces tomam chã juntas e conversam conversam conversam, aquelas conversas ocas tipicas de mulher ah ah ah ah Mas fica-lhe bem.
    agente imobiliario | 29.04.2011 | 19.55Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Fica bem?? De facto não sabe o que diz porque os meus critérios nunca foram as aparências e é fácil comprovar. Não julgue os outros por si...
    maria | 29.04.2011 | 19.30Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Se achas que a Ana Malhoa é bem boa, devias ver a Teresa Guilherme. Essa sim é um pedaço de mulher. Mas isso agora não interessa nada.
    Fã deficiente mental da Teresa Guilherme e CEGO | 27.04.2011 | 21.22Hver comentário denunciado
  • Isabel muito bem explicado. Concordo com a Maria. Tal como ela não concordo absolutamente nada com o que escreveu, mas fica sempre bem elogiar o editorial e dizer uma série de bacoradas.
    Para terminar digo-lhe que a Ana Malhoa é bem boa.
    agente imobiliario | 27.04.2011 | 21.20Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Mais a mais, a malta hoje em dia não quer relacionamentos porque ninguem tem paciencia para aturar ninguem. Caso a srº. não saiba, o numero de divorcios tem vindo a aumentar de uma forma abismal. O que a malta quer é SEXO mesmo. Se sofrem antes ou depois isso logo se verá. Faça um pouco de vida nocturna e diga-me alguma coisa.
    Gaja bem tôla | 27.04.2011 | 21.19Hver comentário denunciado
  • Muito bem explicado! Não é "bota de elástico" a moda é que deveria ser mais sensata para vivermos saudavelmente livres.
    Maria | 27.04.2011 | 19.26Hver comentário denunciado
  • A srª acha que as mulheres vão semi nuas para as discotecas porque estão fragilizadas? Elas já vão com ela ferrada. Tentar amanhar um morcão com dinheiro, dar uma boa queca e esperar amarrar o patego no meio das pernas. Azarito para a maioria delas. Os homens já as topam ao longe e dão-lhes uma cacetada sim, mas no dia seguinte de manhã é, filha a porta da rua é a serventia da casa. Abençoados os que fazem isso, porque mulheres desse calibre são lixo. Não tratem estas gajas da noite como se fossem princesas inocentes.
    anticristo | 27.04.2011 | 18.12Hver comentário denunciado
  • Não estaremos a confundir doenças amorosas transmissiveis (que raio de palavra), com putedo?
    Passo a explicar.
    Minha senhora, acho que a senhora e este senhor não sabem do que falam, mas eu explico. Se algum dos senhores fez vida nocturna, ha-de verificar que nada mais facil do que arranjar casos de uma noite. Será porque as pessoas estão frageis e necessitam de companhia? Será porque essas pessoas apenas gostam de rodar?
    Eu pessoalmente, como se calhar todos nós em determinadas fases da vida, ja estive numa situação em que apreciava ter alguem para uma palavra de conforto. Mas uma palavra de conforto não significa SEXO. Também tive imensos casos de uma noite, mas esses casos de uma noite foram porque me apeteceu! É preciso ser muito estupido, principalmente para quem sai de uma relação amorosa, ir meter-se na cama com um gajo que acabou de conhecer. Isso é putice, ou vontade de ter sexo. Contra isso nada, mas que não me venham cá com a cantiga de que estão fragilizados porque essa para mim já não pega.
    Não ha nada de mal em reconhecer que se gosta de dar umas boas cacetadas. Mas ao menos sejam adultos e reconheçam. Se alguem se sente só, triste, fragil, só precisa de um abraço. Pode acabar na cama, mas isso já não é inocente. Mai Nada!!!!
    anticristo | 27.04.2011 | 18.09Hver comentário denunciado
  • Parabens a Isabel Stilwell
    Gosto muito do que escreve.
    sandra | 27.04.2011 | 14.41Hver comentário denunciado
  • grande eduardo sá ! ! pessoas assim é q dviam ocupar lugares d chefia como por ex: redacções, etc, etc..
    ricardo pinto | 27.04.2011 | 13.49Hver comentário denunciado
  • Cara Isabel . . . !
    Também temos as . . . !
    DMT . . . !
    Doenças das Malguinhas Transmissíveis . . . !
    E então, agora . . . !
    Com as FMI . . . !
    Febres das Mucosas Intestinais . . . !
    Nem com "clister" . . . !
    Estamos safos . . . !
    alexandre barreira | 27.04.2011 | 07.05Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE